Menu

Versão
impressa

Edição impressa
Menu
Busca

Política

Eduardo Bolsonaro irrita a China ao culpá-la pela pandemia de coronavírus

Embaixada chinesa em Brasília afirmou que o filho do presidente contraiu um "vírus mental" nos EUA e anunciou que emitiria um protesto oficial

19.03.20 10:41

Deputado acusou o governo comunista chinês de ter ocultado informações sobre o novo coronavírus (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Deputado acusou o governo comunista chinês de ter ocultado informações sobre o novo coronavírus (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O deputado Eduardo Bolsonaro culpou a China pela pandemia de COVID-19 e a resposta não tardou a chegar: a embaixada chinesa em Brasília afirmou que o filho do presidente Jair Bolsonaro contraiu um "vírus mental" nos Estados Unidos e anunciou que emitiria um protesto oficial.
Eduardo Bolsonaro, vinculado a grupos da ultradireita mundial, acusou o governo comunista chinês de ter ocultado informações vitais sobre o novo coronavírus e comparou essa atitude com a das autoridades soviéticas no desastre nuclear de Chernobyl em 1986.
"Mais uma ditadura preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas que salvaria inúmeras vidas. A culpa é da China e liberdade seria a solução", escreveu Eduardo Bolsonaro na quarta-feira à noite.
Eduardo Bolsonaro retuitou então o comentário de outro internauta: "A culpa da pandemia de coronavírus no mundo tem nome e apelido. É do Partido Comunista Chinês".
A China, o primeiro parceiro comercial e grande investidor do Brasil, não demorou para responder.
Em um tuíte dirigido ao deputado, a embaixada escreveu: "Suas palavras são extremamente irresponsáveis e nos soam familiares. Não deixam de ser uma imitação dos seus queridos amigos. Ao voltar de Miami, contraiu, infelizmente, vírus mental, que está infectando a amizades entre os nossos povos".
Eduardo Bolsonaro fazia parte da comitiva que acompanhou seu pai a Miami, de 7 a 10 de março, durante a qual o presidente brasileiro se reuniu com Donald Trump, que irritou recentemente Pequim ao chamar o COVID-19 de "vírus chinês".
Pelo menos 16 pessoas da delegação brasileira foram diagnosticadas com o coronavírus ao voltarem ao Brasil, embora Jair Bolsonaro e seu filho não façam parte desse grupo.
"A parte chinesa repudia veementemente as suas palavras, e exige que as retire imediatamente e peça uma desculpa ao povo chinês. Vou protestar e manifestar a nossa indignação junto ao Itamaraty e a Câmara dos Deputados", escreveu em outra mensagem, em português e chinês, o embaixador Yang Wanming.
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, tuitou: "Em nome da Câmara dos Deputados, peço desculpas à China e ao embaixador @WanmingYang pelas palavras irrefletidas do Deputado Eduardo Bolsonaro.".

DESTAK EDITORA S.A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização expressa. Copyright – Termos de uso