Menu

Versão
impressa

Edição impressa
Menu
Busca

Economia

Dólar cai a mínima desde julho

O dólar à vista caiu 0,91%, a 5,2406 reais na venda

16.09.20 18:00

A moeda operou em queda durante todo o dia, oscilando entre 5,276 reais e 5,211 reais. (Giorgio Trovato | Unsplash)

A moeda operou em queda durante todo o dia, oscilando entre 5,276 reais e 5,211 reais. (Giorgio Trovato | Unsplash)

O dólar fechou em queda ante o real nesta quarta-feira e renovou mínima desde o fim de julho, com as operações domésticas replicando dia positivo para moedas emergentes em geral, enquanto investidores analisaram decisão de política monetária nos Estados Unidos e ainda aguardam parecer sobre os juros no Brasil mais tarde.
O dólar à vista caiu 0,91%, a 5,2406 reais na venda. É o menor nível desde 31 de julho (5,2185 reais).
A moeda operou em queda durante todo o dia, oscilando entre 5,276 reais (-0,24%) e 5,211 reais (-1,47%).
A mínima intradiária foi atingida após o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) anunciar manutenção dos juros entre zero e 0,25% e dizer que vai tolerar inflação moderadamente acima da meta de 2% para permitir maior crescimento do mercado de trabalho.
Mas o dólar deixou os patamares mais baixos conforme o chair do Fed, Jerome Powell, falava em coletiva de imprensa --no que foi considerado uma de suas piores comunicações. Powell voltou a destacar a necessidade de mais estímulo fiscal para que se tenha plena recuperação da economia, num momento em que o Congresso dos EUA segue com negociações paradas sobre novo pacote de auxílio.
“Quanto mais dovish (inclinado a estímulo monetário) for o Fed, menos provável que o Congresso se comprometa (com novo estímulo)”, comentou o conselheiro econômico principal da Allianz, Mohamed A. El-Erian.
Aqui, o foco se volta para a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de mais tarde, com expectativa do mercado de juros estáveis em 2% ao ano, mínima recorde.
“Se o Banco Central não apresentar mudanças inovadoras em sua comunicação, o que também parece ser o cenário-base do mercado, esperamos ver impacto limitado nos preços dos juros e do câmbio”, disseram analistas do Citi.
“Em contraste com as reuniões recentes, não esperamos que o real tenha desempenho inferior (depois da decisão), devido a nossa visão de que a comunicação (do Copom) irá destacar trajetória estável para a Selic”, concluíram.
Segundo alguns analistas, a desvalorização do dólar nesta sessão também pode ter tido a ver com desmonte de posições compradas na moeda dos EUA que funcionavam como proteção a aplicações em bolsa.
A queda simultânea no dólar e no Ibovespa estaria relacionada justamente à expectativa de sinalização de fim do processo de afrouxamento monetário. Juro baixo beneficia o mercado acionário e torna o hedge via dólar mais barato, estimulando o “trade” compra de bolsa/compra de dólar.
O Ibovespa caiu 0,52% nesta quarta, conforme dados preliminares.
As baixas dos juros a sucessivas mínimas recordes são apontadas como um dos principais fatores para explicar a depreciação do real em 2020 --de 23,43% ante o dólar, a mais intensa entre as principais divisas--, num contexto de incertezas sobre crescimento econômico sustentável e retomada crível da agenda de reformas.

DESTAK EDITORA S.A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização expressa. Copyright – Termos de uso