Menu

Versão
impressa

Edição impressa
Menu
Busca

Economia

Dólar sobe e fecha a R$ 5,83 em dia de saída de Teich

Bolsa encerra dia com queda de 1,84%, depois de começar em alta

15.05.20 20:23

A divisa encerrou a semana com alta de 1,73% e acumula alta de 45,51% em 2020.  (Marcello Casal Jr | Agência Brasil)

A divisa encerrou a semana com alta de 1,73% e acumula alta de 45,51% em 2020. (Marcello Casal Jr | Agência Brasil)

Em um dia marcado pela divulgação de indicadores econômicos e pela saída do ministro da Saúde, Nelson Teich, o mercado financeiro teve um dia de volatilidade. Depois de iniciar a sessão em baixa, o dólar comercial encerrou esta sexta-feira (15) vendido a R$ 5,839, com alta de R$ 0,019 (+0,33%). A bolsa de valores, que tinha começado em alta, passou a cair a partir do fim da manhã.


O euro comercial também subiu e fechou a R$ 6,336, com alta de 0,87%. A libra comercial, no entanto, caiu levemente e encerrou o dia vendida a R$ 7,088, com recuo de 0,27%.


O dólar alternou momentos de alta e de queda, mas consolidou a alta perto do fim das negociações. Na mínima do dia, por volta das 11h30, a cotação tinha caído para R$ 5,77, mas o movimento inverteu-se assim que foi confirmada a saída do ministro da Saúde. A divisa encerrou a semana com alta de 1,73% e acumula alta de 45,51% em 2020.


Diferentemente dos últimos dias, o Banco Central (BC) não interferiu no câmbio. A autoridade monetária apenas anunciou, no fim da tarde, que começará a rolar (renovar) na próxima semana US$ 11,3 bilhões em contratos de swap cambial – que equivalem à venda de dólares no mercado futuro – que vencem em julho.


Além da saída do ministro da Saúde, o mercado financeiro foi influenciado pela divulgação de que o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado hoje (15) pelo Banco Central (BC), apontou queda de 1,95% no primeiro trimestre, por causa da pandemia de coronavírus.


Somente em março, o IBC-Br caiu 5,9% em relação a fevereiro, antes do início da pandemia. Esse foi o pior resultado mensal desde o início da série histórica, em janeiro de 2003. Em relação a março de 2019, a queda chegou a 1,52%.


Nos últimos dias, os investidores também têm repercutido a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de reduzir a Selic (taxa básica de juros) para 3% ao ano. Além de reduzir a taxa além do estimado, o BC indicou que pretende promover novo corte de até 0,75 ponto percentual em junho, o que poderia levar a Selic para 2,25% ao ano.


Juros mais baixos tornam menos atrativos os investimentos em países emergentes, como o Brasil, estimulando a retirada de capitais estrangeiros. As tensões políticas internas também interferiram no mercado.
Mercado de ações
O dia voltou a ser marcado por perdas no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou esta sexta-feira aos 77.556 pontos, com queda de 1,84%. O indicador começou o dia em alta, mas passou a cair no fim da manhã, pouco depois do anúncio da saída de Teich. O Ibovespa encerrou a semana com queda de 3,37%.


O mercado de ações brasileiro não seguiu o cenário externo. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, fechou o dia com ganho de 0,25%. A bolsa norte-americana tem sido influenciada pelo aumento na tensão comercial e diplomática entre Estados Unidos e China e pel ressurgimento de casos do novo coronavírus em países que amenizaram as restrições sociais, como a Alemanha e a Coreia do Sul.


Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

DESTAK EDITORA S.A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização expressa. Copyright – Termos de uso